Yes, nós temos vinhos de vinhas velhas

Vinhos elaborados com uvas de plantas antigas são mais concentrados, com maior riqueza de aromas e sabores, mais complexos. Videiras mais velhas produzem menos uvas por planta – daí a maior concentração de substâncias desejáveis nas bagas.

Em regiões europeias com longa tradição vitivinícola, como o Douro, no Norte de Portugal, são relativamente comuns vinhas com 30, 40 ou mais de 60 anos de vida, ainda em produção. A videira é uma planta longeva, pode viver um século ou mais. A festejada enóloga portuguesa Filipa Pato me contou que elabora, na Bairrada, vinhos com uvas colhidas em vinhedos com 80 anos de idade.

Mas isso é relativamente comum no Velho Mundo. No Novo Mundo, a realidade é bem diferente. Por aqui, os vinhedos, em geral, são cultivos mais recentes. As vinhas brasileiras destinadas à elaboração de vinhos finos são ainda predominantemente jovens. Vinhedos de castas viníferas europeias, conduzidos pelo sistema de espaldeira, foram plantados ou replantados há uma ou duas décadas, em substituição aos antigos parreirais fechados de uvas americanas (chamados de “latada”), implantados pelos imigrantes italianos que colonizaram a Serra Gaúcha.

Na região da Campanha do Rio Grande do Sul, Fronteira do Brasil com o Uruguai, encontram-se alguns dos mais antigos vinhedos de castas viníferas do país, cultivados em sistema de espaldeira. Foram implantados, principalmente, pela Vinícola Almadén, na década de 1970, quando a empresa – hoje parte do Miolo Wine Group – pertencia à multinacional norte-americana National Destillers.

O Grupo Miolo teve a sabedoria de preservar um desses vinhedos – um pequeno lote de 4,5 hectares de Tannat, com mais de 35 anos, em meio a 600 hectares de videiras, no município de Sant’Ana do Livramento. Com as uvas deste antigo vinhedo, cercado pela bela paisagem do Pampa gaúcho, a Almadén elabora o seu icônico Tannat Vinhas Velhas. Um vinho potente, encorpado, com taninos macios, que vem colecionando prêmios, elogios e notas altas nas degustações de que tem participado. Por enquanto, nosso único vinho de vinhas realmente velhas.

 

 

post2 post3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *